Volume 1, edição anual - 2013 

 ISSN 2358-8624


Teor de ß-Glucanas em Genótipos de Cevada do Município de Passo Fundo/RS

 

CAPELARI, Pâmela; CORADI, Fernanda de Bona; ABDAD, Marília; KLAUK, Bruna Hafle; BEZERRA, Aline Sobreira

INTRODUÇÃO

A cevada (Hordeum vulgare L.) ocupa a quarta posição mundial na produção de cereais em quantidade produzida e área de cultivo. A produção brasileira de cevada é de aproximadamente 295 mil toneladas e está concentrada na Região Sul do Brasil (EMBRAPA, 2013).

É considerada uma antiga e importante cultura de grãos e em sua composição têm sido relatados diferentes conteúdos de fibra alimentar (fibra alimentar total, solúvel e insolúvel) que podem sofrer variações devido à influência do clima, radiação solar, localidade, entre outros. O consumo apropriado de fibra na dieta humana vem sendo valorizado em função dos benefícios à saúde (BEZERRA, 2009).

As ß-glucanas são componentes da fibra solúvel e sua importância se deve às propriedades funcionais e aos efeitos hipocolesterolêmicos e hipoglicemiantes apresentados. Em estudo cujo objetivo era avaliar a composição centesimal e o teor de ß-glucanas em cereais e derivados, Fujita e Figueroa (2003) demonstraram que os grãos de aveia e cevada são os que apresentam teor mais elevado de ß-glucanas. O estudo sugere que os teores de fibra podem variar com a safra e com fatores genéticos ligados ao grão. Jenkins (1985) refere que a ß-glucana, sendo uma fibra solúvel, pode aumentar a viscosidade do bolo alimentar, tornando a digestão mais lenta, prejudicando a interação das enzimas pancreáticas com o substrato e diminuindo desta forma a taxa de digestão dos carboidratos pela amilase pancreática. A redução da taxa de absorção de carboidratos pelo trato digestório, limita o aumento da glicemia pós prandial. Esta limitação se dá pela presença de fibras que diminuem a digestão e absorção de carboidratos e pela fermentação bacteriana parcial, que ocorre no intestino grosso, produzindo metabólitos que afetam a ação da insulina. A utilização de 3 a 6 gramas de ß-glucana por dia é suficiente para reduzir em até 5% os níveis de LDL colesterol no plasma e reduzir os índices glicêmicos dos alimentos ingeridos (JENKINS et al., 1985). Este estudo foi de muita importância para a decisão da FDA (Food and Drug Administration), quando do reconhecimento desta fibra como alimento funcional e protetor da saúde (MIRA; GRAF; CÂNDIDO, 2008). Além da importância nutricional, as β-glucanas apresentam papel tecnológico em alimentos processados, podendo ser utilizadas como espessante e estabilizante não calórico; auxiliando na fabricação de queijos e sorvetes; substituindo gordura em produtos lácteos e de confeitaria, formando géis e para desenvolvimento de produtos com alto teor de fibras alimentares (LIMBERGER, 2012). Considerando seus benefícios para a saúde, uma gama de alimentos funcionais contendo β-glucanas, tem sido comercialmente introduzida no mercado.

OBJETIVO

Objetivou-se nesse trabalho, avaliar o conteúdo de ß-glucanas de genótipos de cevada nos anos de 2008 e 2009, provenientes do município de Passo Fundo, RS.

METODOLOGIA

As amostras utilizadas no experimento foram recomendadas pela Comissão Nacional de Cevada (CNC) e oriundas de ensaio coordenado de campo pela EMBRAPA/Trigo, Passo Fundo, RS, Brasil. Foram utilizados os genótipos MN 743, BRS 225 e BRS 195 das safras de 2008 e 2009. O conteúdo de ß-glucanas foi avaliado pela Metodologia de McCleary (MCCLEARY & CODD, 1991) em triplicata.

Todas as medidas de absorção foram realizadas por meio de espectroscopia na região do visível, utilizando espectrofotômetro Hewlett Packard (HP 8453) com arranjo de diodos. Os dados foram submetidos à análise de variância e desvio padrão pelo Teste de Tukey a 5% de probabilidade, utilizando o programa SAS – Agri, versão 4 (CANTERI et al., 2001).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

De acordo com os dados apresentados na Tabela 1, no ano de 2008 a porcentagem média de ß-glucanas em cevada é consideravelmente mais significativa que em 2009, evidenciando possível influência do clima, radiação solar, localidade, entre outros, na composição centesimal dos cultivares. Em estudo realizado por FUJITA e FIGUEROA (2003) em 10 variedades de cevada analisadas, os teores de ß-glucanas oscilaram de 2,04 a 9,68% mostrando mais uma vez a variabilidade genética entre os cultivares. Segundo os autores existe atualmente grande interesse na obtenção de cultivares com elevados teores de ß-glucanas. O Instituto Agronômico de Campinas possui um número significativo de cultivares de cevada (Hordeum vulgare), desenvolvidas no Programa de Melhoramento Genético de Sementes e cujo conteúdo desse elemento não foi ainda determinado. Na literatura poucos são os dados existentes para este grão, muitos deles baseados em métodos analíticos menos específicos, ou ainda, utilizando métodos de extração de ß-glucanas não quantitativos (WOOD; SIDDIQUI; PATON, 1978).

CONCLUSÃO

Podemos observar que no ano de 2008 o conteúdo de ß-glucanas dos genótipos analisados foi mais elevado do que em 2009, o que pode ser associado aos fatores ambientais, condições de cultivo e outros. Sob a perspectiva da ciência dos alimentos e diante do consenso da relação entre alimentação, saúde e doença, há uma procura por alimentos que, além de fornecer os nutrientes indispensáveis ao organismo, proporcionem benefícios adicionais à saúde. Sob esse aspecto, as atuais recomendações nutricionais incentivam a ingestão de cereais com características diferenciadas.

REFERÊNCIAS

BEZERRA, A. S. Caracterização de compostos antioxidantes em grãos de diferentes cultivares de cevada (Hordeum vulgare L.) [Tese de mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos]. Santa Maria, Rio Grande do Sul: Universidade Federal de Santa Maria, 2009. 108p.

CANTERI, M. G., et al. SASM - Agri : Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scoft - Knott, Tukey e Duncan. Revista Brasileira de Agrocomputação, v.1, n.2, p.18-24. 2001.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - Embrapa Trigo. Disponível em: <http://www.cnpt.embrapa.br/culturas/cevada/index.htm>. Acesso em: 21 set. 2013.

FUJITA, A. H.; FIGUEROA, M. O. R. Composição centesimal e teor de b-glucanas em cereais e derivados. Ciênc. Tecnol. Aliment, v.23, n.2, 2003.

JENKINS, D. J., et al. Fiber and starchy foods: gut function and implications in disease. American Journal of Gastroenterology, v. 81, p. 920–930, 1985.

LIMBERGER, V. M. Extração de β-glucanas de cevada e produção de xarope de maltose a partir do amido residual. Tese [Doutorado em Ciência dos Alimentos], Santa Catarina, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012. 136p.

MCCLEARY, B. V.; CODD, R. Measurement of (1→3), (1→4)-β-D-glucan in barley and oats: a streamlined enzymic procedure. Journal of the Science of Food and Agriculture 55, 303–312, 1991.

MIRA, G. S.; GRAF, H.; CÂNDIDO, L. M. B. Visão retrospectiva em fibras alimentares com ênfase em beta-glucanas no tratamento do diabetes. Braz. J. Pharm. Sci. vol.45 n° 1 São Paulo Jan./Mar. 2009.

WOOD, P. J.; SIDDIQUI, J. R.; PATON, D. Extraction of high viscosity gum from oats. Cereal Chemistry, v.55, n.6, p.1038-1049, 1978.

MAYER, E. T.; FUKE, G.; NÖRNBERG, J. L.; MINELLA, E. Caracterização nutricional de grãos integrais e descascados de cultivares de cevada. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v.42, n.11, p.1635-1640, nov. 2007