Frequência de consumo de frutas, hortaliças e legumes ricos em carotenóides

Volume 1, edição anual - 2012

 


FREQUÊNCIA DE CONSUMO DE FRUTAS, HORTALIÇAS E LEGUMES RICOS EM CAROTENÓIDES¹

Aires, A. P. P²; Franchi, D. B²; Blasi, T. C³.

¹ Trabalho de Pesquisa _UNIFRA

² Nutricionista pelo Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil

³ Mestre em Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal de Santa Maria, RS, Brasil

E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ;

INTRODUÇÃO: As vitaminas são compostos orgânicos que variam amplamente quanto à estrutura química e atividade biológica, podendo funcionar tanto como co fatores de enzimas em diferentes reações bioquímicas, quanto como antioxidantes, modulando o balanço oxidativo, e até mesmo como hormônios, regulando a expressão gênica (OLSON,1994). Os efeitos protetores observados têm sido atribuídos, em grande parte, ao conteúdo de vitaminas denominadas antioxidantes e de carotenóides desses alimentos (ZIEGLER et al.,1996).Os carotenóides são substâncias altamente reativas, facilmente oxidadas e com diversas funções. Embora seja um micronutriente presente em nível muito baixo (microgramas por grama), os carotenóides estão entre os constituintes alimentícios mais importantes (AMAYA, 2008). Em anos mais recentes, efeitos promotores da saúde têm sido atribuídos aos carotenóides, quando presentes em quantidades fisiológicas e sob determinadas condições intracelulares, como: imunomodulação e redução do risco de contrair doenças crônicas degenerativas, como câncer, doenças cardiovasculares, catarata e degeneração macular (GAZIANO E HENNEKENS, 1993; KRINSKY, 1993; ASTORG, 1997; OLSON, 1999).

OBJETIVO: Verificar a frequência de consumo de frutas, hortaliças e legumes ricos em carotenóides em funcionários de uma empresa de veículos do município de Santa Maria, RS.

METODOLOGIA: Estudo descritivo transversal, com abordagem descritiva. A população foi constituída por 35 indivíduos de ambos os gêneros, realizado em uma empresa de veículos na cidade de Santa Maria, RS. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética e Pesquisa com Seres Humanos pelo processo nº (352.2011.2). Para a coleta dos dados utilizou-se um Questionário de Frequência Alimentar (QFA) adaptado de Fisberg,(2005). Os dados foram analisados através do software SPSS versão 15.0 por análise descritiva simples.

RESULTADOS E DISCUSSÕES: No grupo das frutas, as variedades ricas em carotenóides mais consumidas foram a laranja e o mamão, representados respectivamente por 17(48,6%) e 13(37,17%) na frequência de 2 a 4 vezes na semana. As frutas assinaladas como nunca consumidas estão a ameixa seca com 27(77,16%) e o damasco 30(85,72%). No grupo das hortaliças e legumes, observou-se que a maioria dos alimentos listados não são consumidos. As maiores frequência ficaram com o tomate e a cenoura representados por 13(37,16%) que consomem tomate 2 a 4 vezes na semana e 15(42,85%) consomem cenoura 1 a 3 vezes no mês. Já as hortaliças e legumes nunca consumidos foram o agrião com 24(68,60%) e o espinafre com 25(71,45%).

CONCLUSÃO: Com base nos resultados obtidos é possível concluir que a frequência do consumo de alimentos de origem vegetal, principalmente aqueles ricos em carotenóides está aquém das recomendações atuais, não podendo desta forma ser empregado como agente quimiopreventivo neste grupo de indivíduos.

REFERÊNCIAS

ZIEGLER, R.G.; COLAVITO, E.A.; HARTGE, P.; McADAMS, M.J.; SCHOENBERG, J.B.; MASON, T.J.; FRAUMENI Jr.; J.F. Importance of α-carotene, β-carotene,and other phytochemicals in the etiology of lung cancer. Journal of the National Cancer Institute, Bethesda, v.88, n.9, p.612-615, 1996.